Proposta do BB para a Cassi aumenta despesas, onera bancários e acaba com gest
sexta-feira, 20 de julho de 2018.
A+
A-

Proposta do BB para a Cassi aumenta despesas, onera bancários e acaba com gestão paritária

26/04/2018


Quebra do princípio da solidariedade, com a instituição da cobrança de valor unitário R$ 360,57 por dependente; aumento da contribuição de 3% para 4% por funcionário (da ativa e aposentado), mantendo a contribuição ordinária por parte do banco em 4,5% por titular; aumento do valor da coparticipação; fim da paridade na gestão e aumento das despesas, com a criação de mais duas novas diretorias compostas por agentes do mercado e a instalação do voto de Minerva para o patrocinador no Conselho Deliberativo.

Esses são, em suma, os principais pontos da proposta do Banco do Brasil para a Cassi apresentada na tarde desta terça-feira (24), em reunião que tratou da Caixa de Assistência com as entidades de representação dos funcionários e aposentados.

“Essa proposta é uma afronta aos funcionários, porque aumenta as despesas da Cassi e onera somente o associado, alterando o modelo de custeio sem contrapartidas do patrocinador, o BB, sem contar que põe fim ao modelo de gestão paritária, enfraquecendo os associados eleitos e os controles. Além disso, inicia a destruição do modelo de solidariedade ao instituir valor nominal de cobrança por dependente. Se a proposta passar na consulta, teremos funcionários que serão onerados em quase 15% do salário, somando contribuições e coparticipação”, explica Rafael Zanon, representante da Fetec-CUT/CN na Comissão de Empresa dos Funcionários do BB e diretor do Sindicato de Brasília.

A proposta do BB vem a reboque da edição do ofício da Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (Sest), no início de abril, que orienta a “aplicação imediata” dos termos da resolução 23 da CGPAR (Comissão Interministerial de Governança Corporativa e de Administração de Participações Societárias da União), atropelando o prazo de 48 meses estipulado pelo próprio Ministério do Planejamento no documento. A resolução, datada de janeiro, é uma verdadeira ameaça à sustentabilidade dos planos de saúde dos empregados de empresas públicas federais, como a Cassi.

À luta. Mudanças no Estatuto da Cassi, só com aprovação do corpo social

O destino da Cassi e dos direitos conquistados está nas mãos dos associados. As mudanças propostas alteram o estatuto da Cassi e por isso precisam ser submetidas a consulta ao Corpo Social, que é o órgão máximo de deliberação, necessitando da aprovação de pelo menos 2/3 do número de votantes.

“É claro que vamos todos dizer não a essa proposta. Unidade e resistência são as palavras de ordem nesse momento em que o funcionalismo e seus direitos estão sob forte ataque do governo. Não podemos deixar que nos tirem conquistas históricas. A Cassi é um dos nossos maiores patrimônios e assim tem que permanecer. Vamos lutar até o fim”, orienta Fátima Marsaro, diretora do Sindicato.

Sindicato realizará plenária dia 02/05, às 19h

Para organizar a resistência em defesa da Cassi e dos direitos conquistados, o Sindicato convoca os bancários de Brasília para plenária no próximo dia 2 de maio, quarta-feira, às 19h, na sede da entidade (EQS 314/315). Funcionários da ativa e aposentados estão convocados.

Confira a proposta apresentada pelo BB , conforme informações da Contraf- CUT:

O BB afirmou que a proposta, cujos detalhes serão melhor apresentados, tem como base o relatório da Consultoria Accenture, contratada e paga pelo banco conforme os parâmetros estabelecidos no Memorando de Entendimentos assinado em 21 de outubro de 2016.

• Com a contribuição por titular, o Banco do Brasil mantém os 4,5% e os associados 4%, ficando permanente a contribuição extraordinária do associado, que iria até 2019;
• A contribuição por dependente estabelece o valor base de R$ 360,57 (valor limitado ao da 1ª faixa do Cassi Família II). Assim, a cobrança por dependente se daria de forma diferenciada entre ativos e aposentados;
• Os aposentados teriam de contribuir com 100% do valor base (R$ 360,57) para o primeiro dependente e mais 20% do valor para o segundo em diante (R$ 72,11). Já para os ativos, seria 40% do valor base por dependente até o terceiro (R$ 144,23 por dependente) mais 20% do valor base (R$ 72,11) a partir do terceiro dependente. 60% desse valor seriam pagos pelo Banco do Brasil direto para a Cassi. No caso da contribuição total, ficam estabelecidos os dois tipos de contribuição citados acima, limitados a 10% da renda.

Mudança na governança

• Com a mudança na governança, a Cassi passaria a contar com cinco diretorias mais a presidência (modelo atual tem três Diretorias e Presidência);
• A presidência e a Tecnologia e Inovação seriam indicadas pelo BB. Os representantes de administração e gestão de Risco e Relacionamento seriam eleitos. E Produtos e Programas e Rede de Atendimento seriam representados por técnicos;
• A proposta para a Governança inclui ainda o voto de qualidade (voto de minerva) para o patrocinador no Conselho Deliberativo.


Fetec-CUT/CN e Seeb Brasília, com informações da Contraf-CUT
Compartilhe


NOTÍCIAS RELACIONADAS

Banco do Brasil - 16/07/2018
Negociação com BB define calendário e abrangência do acordo
Banco do Brasil - 05/07/2018
Seeb/MT realiza Plenária sobre 7ª e 8ª hora dos Funcionários do BB
Banco do Brasil - 01/07/2018
BB mostra disposição para negociar com funcionários
Banco do Brasil - 29/06/2018
BB: Acontece hoje a primeira rodada de negociação
Banco do Brasil - 26/06/2018
Seeb/MT convoca Plenária sobre as AÇÕES DE 7ª E 8ª HORA do BB
Page 1 of 45 (225 items)Prev[1]234567434445Next