Bolsonaro quer fechar agências e demitir funcionários do BB
sábado, 17 de abril de 2021.
A+
A-

Bolsonaro quer fechar agências e demitir funcionários do BB

25/02/2021


Reestruturação é péssima para bancários e ainda pior para a população

A diretoria do Banco do Brasil, nomeada pelo presidente Bolsonaro, quer demitir 5 mil funcionários e fechar 112 agências, 242 postos de atendimento e 7 escritórios de trabalho do banco. Isso significa que a população terá que se deslocar por longas distâncias, muitas vezes para outra cidade, para encontrar uma agência. E quando encontrar, terá que enfrentar mais filas e mais aglomerações. Em plena pandemia!

“Além disso, haverá menos gente trabalhando e sobrecarga de trabalho para os funcionários que permanecerem. Ou seja, mais tempo de espera para os clientes”, criticou o coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB), João Fukunaga. “O governo precariza o serviço e, muitas vezes, os clientes reclamam dos funcionários. Mas, os verdadeiros culpados são outros, estão sentados nas cadeiras de Presidente da República e de ministro da Economia”, observou.

Fim da função de caixa

O banco também quer acabar com a função de caixa. Neste caso, quem fará esse serviço é alguém que terá que fazer outras coisas na agência, além de ser caixa. “E, claro, o banco quer reduzir os salários destes funcionários. Porque, para esse ‘povo’, que ganha acima de dois, ou até três dígitos, os funcionários, que ralam o dia todo, ganham muito”, disse o coordenador da CEBB.

“A reestruturação do Banco do Brasil, assim como de outras empresas públicas, é péssima para os funcionários, que ficarão sobrecarregados, vão receber menos e isso pode levá-los ao adoecimento. Mas, é pior ainda para a população, que paga tarifas caras por um serviço público, mas receberá um serviço de pior qualidade. Mas, repito, os culpados não são os funcionários”, disse Fukunaga.

Liminar da Contraf

O banco só não acabou com a função de caixa nem reduziu os salários dos funcionários porque a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) conseguiu uma liminar da Justiça impedindo o fim da função de caixa e a perda da gratificação de função, com a consequente queda de renda.

“Conseguimos resguardar a função de caixa com uma decisão liminar. Mas, temos que manter a mobilização para acabar de vez com esse risco e também a luta contra a privatização do banco. Porque o governo já disse que interessa a privatização e já tem projeto no Congresso Nacional para que o BB seja incluído no Programa de Desestatização”, afirmou a secretária de Juventude e representante da Contraf-CUT na CEBB, Fernanda Lopes. “E os colegas de outras funções precisam apoiar a luta e lembrar que hoje são caixas, mas amanhã pode ser eles. Além do mais, a privatização atinge a todos!” concluiu a dirigente da Contraf-CUT

Números do desmonte

  • Desativação de 361 unidades, sendo 112 agências, 7 escritórios e 242 Postos de Atendimento (PA)
  • Conversão de 243 agências em PA
  • Transformação de 145 unidades de negócios em Lojas BB, sem a oferta de guichês de caixa
  • Demissão de 5 mil funcionários

FONTE: CONTRAF-CUT

Compartilhe


NOTÍCIAS RELACIONADAS

Banco do Brasil - 16/04/2021
Contraf-CUT e seeb/MT disponibilizam boletim especial sobre a Cassi
Banco do Brasil - 15/04/2021
"Banco do Brasil não é do mercado, é do Brasil", diz João Fukunaga
Banco do Brasil - 15/04/2021
Análise do balanço do BB estará em pauta nesta quinta-feira (15)
Banco do Brasil - 14/04/2021
BB descumpre acordo e obriga funcionários a trabalhar presencialmente sem necessidade
Banco do Brasil - 08/04/2021
"'Farra do boi' está aberta no Banco do Brasil", diz representante dos funcionários
Page 1 of 71 (351 items)Prev[1]234567697071Next