Bancos fazem proposta apenas de reposição da inflação, sem aumento real
terça-feira, 11 de dezembro de 2018.
A+
A-

Bancos fazem proposta apenas de reposição da inflação, sem aumento real

08/08/2018


A Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) apresentou uma proposta que apenas cobre a inflação nos salários, PLR, vales e demais verbas econômicas, sem aumento real, na sexta reunião da mesa única de negociação, realizada nesta terça-feira (7), em São Paulo. Também não garantiu que os bancários não serão substituídos por trabalhadores contratados de forma precarizada, a exemplo da terceirização. Os bancos querem alterar cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da categoria, segundo eles, para garantir segurança jurídica, mas sequer apresentaram a redação das modificações. A próxima rodada de negociação ficou agendada para o dia 17 de agosto (sexta-feira).

O Comando Nacional dos Bancários se reuniu, avaliou a proposta e indica sua rejeição nas assembleias a serem realizadas nesta quarta-feira (8) por sindicatos da categoria de todo o país, uma vez que a mesma não traz aumento real nem garantia dos direitos conquistados e estabelecidos na CCT, tampouco a manutenção dos empregos.

“A categoria não aceitará uma proposta sem aumento real, manutenção dos direitos e sem a garantia de que os bancários não serão substituídos por formas de contratação precarizadas. É por isso que o Comando indica a rejeição da proposta nas assembleias desta quarta-feira (8)”, explicou a presidenta da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), Juvandia Moreira, que é uma das coordenadoras do Comando Nacional dos Bancários.

Os cinco maiores bancos tiveram lucro de R$ 77,4 bilhões em 2017 e apenas com a receita obtida com tarifas de serviços bancários conseguem cobrir todos os gastos com o pessoal em 140%. 

   > Lucro do Itaú chega a quase R$ 13 bilhões no 1º semestre
     > Lucro do Bradesco ultrapassa R$ 10 bilhões no 1º semestre
     > Santander lucra 5,9 bilhões no primeiro semestre de 2018
     > “The Economist" confirma: Bancos no Brasil têm lucro alto em qualquer situação
     > Setor que mais lucra no Brasil se recusa garantir empregos na CCT

Proposta insuficiente e incompleta

Para Ivone Silva, presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região e também coordenadora do Comando Nacional dos Bancários, a proposta da Fenaban é insuficiente e incompleta. “Não atende a reivindicação de aumento real feito pela categoria e sequer está com todas as cláusulas redigidas”, criticou.

Além de não querer dar aumento real, os bancos já disseram que vão retirar a cláusula da CCT que possibilita o abono ou compensação dos dias parados de greve.

Um avanço da negociação desta terça-feira é que a CCT é válida para todos, inclusive para os trabalhadores hipersuficientes, que possuem escolaridade de nível superior e ganham acima de dois tetos do INSS.

“É importante que todos participem das assembleias em seus sindicatos para mostrar a unidade e a força da categoria e da mobilização dos dias 10 de agosto, acompanhem as negociações do dia 17 e estejam mobilizados para lutar pela manutenção dos seus direitos e reivindicações da categoria”, concluiu a presidenta da Contraf-CUT.

Basta de desemprego e retirada de direitos

No dia 10 de agosto (sexta-feira), Dia do Basta, a categoria vai promover retardamento da abertura de agências e departamentos bancários e participar das atividades locais que serão realizadas por sindicatos de diversas categorias contra os ataques aos direitos dos trabalhadores e contra o desemprego e a retirada de direitos. “O Dia do Basta é um Dia Nacional de Luta de todas as categorias contra o desemprego e a retirada de direitos. Mas, também é um momento em que os bancários mostrarão aos banqueiros que não aceitarão a retirada de direitos e que querem aumento real”, convocou Juvandia.

Defesa dos bancos públicos

No dia 15 de agosto será realizado um Dia Nacional de Luta em defesa dos bancos públicos e contra as resoluções 22 e 23 da Comissão Interministerial de Governança Corporativa e de Administração de Participações Societárias da União (CGPAR), em Brasília, em frente ao Ministério da Fazenda e repercutido nos estados que não puderem participar do ato em Brasília. Estas resoluções determinam que empresas estatais reduzam despesas com a assistência à saúde dos trabalhadores; e limita a 6,5% da folha de pagamento a participação no custeio dos planos de saúde dos funcionários pelas empresas públicas. Isso afeta tanto a Cassi (plano de saúde dos funcionários do BB), quanto o Saúde Caixa.

Leia também:

     > Bancos vão apresentar proposta nesta terça; bancários fazem assembleia na quarta
     > Mesa de negociação com BB fica zerada na pauta econômica
     > Caixa não apresenta propostas para reivindicações dos empregados
     > Metas são principal causa de adoecimento, mas bancos não trazem solução
     > Bancos fecharam 2.846 postos de trabalho no primeiro semestre de 2018
     > Não há razão para demissões nos bancos
     > Bancos enrolam e proposta será apresentada no dia 7
     > Bancários vão para mesa negociar, mas bancos frustram primeira rodada
     > 10 de agosto será o Dia do Basta!

Fonte: Contraf-CUT

Compartilhe


NOTÍCIAS RELACIONADAS

CAMPANHA NACIONAL DOS BANCÁRIOS 2018 - 11/09/2018
Aumento real dos bancários é de 1,31%
CAMPANHA NACIONAL DOS BANCÁRIOS 2018 - 04/09/2018
Campanha salarial dos bancários terá impacto de R$ 9,22 bilhões na economia
CAMPANHA NACIONAL DOS BANCÁRIOS 2018 - 29/08/2018
Em Assembleia, Bancários de MT aprovam proposta que garante CCT integral e ganho real
CAMPANHA NACIONAL DOS BANCÁRIOS 2018 - 23/08/2018
Manifesto em defesa dos direitos das mulheres bancárias
CAMPANHA NACIONAL DOS BANCÁRIOS 2018 - 23/08/2018
Valeu a pressão: bancos recuam e devolvem PLR às bancarias em licença-maternidade
Page 1 of 6 (29 items)Prev[1]23456Next